terça-feira, janeiro 15, 2013

Bioshock Infinite rodará em computadores menos potentes!

Elizabeth chocada com a notícia #Bombástica
No dia 15 de janeiro (2013), a Irrational Games (produtora da série Bioshock) anunciou os requisitos mínimos de Bioshock Infinite e garante que o game rodará de boa em computadores - até mesmo notebooks - menos privilegiados, utilizando placa de vídeo integrada. A primeira preocuação de muitos gamers com uma notícia dessas é "mas isso provavelmente usando as configurações mínimas, então o jogo não vai ficar tão bonito quanto realmente é", mas as opções gráficas, assim como de controle, serão vastas, permitindo um aproveitamento balanceado entre performance e beleza. Confira a seguir os rqeuisitos mínimos e recomendados:

Mínimo
OS: WinVista Service Pack 2 32-bits
Processador: Intel Core 2 DUO 2.4 GHZ / AMD Athlon x2.27 GHZ
Memória: 2GB
Espaço no HD: 20GB livres
Placa de vídeo: ATI Radeon HD 3870/ NVIDIA 8800 GT/ Intel HD 3000 Integrated Graphics
Memória de vídeo: 512MB
Placa de áudio: Compatível com DirectX

Recomendado
OS: Win7 Service Pack 1 64-bits
Processador: Quad Core
Memória: 4GB
Espaço no HD: 30GB livres
Placa de vídeo: AMD Radeon HD 6950/ NVIDIA GeForce GTX 560
Memória de vídeo: 1024MB
Placa de áudio: Compatível com DirectX

Confira a notícia completa no site da Irrational Games (em inglês). Lembrando que Bioshock Infinite sai dia 26 de março (quem quiser me dar ago de presente, já que meu aniversário é em março, taí uma dica).

domingo, janeiro 13, 2013

Phantasy Star Universe: Ambition of the Illuminus

Finalmente um print meu u_u
Você provavelmente já deve ter lido sobre Phantasy Star por aqui, porque é, eu sou um fã dos spin-offs (já que após o quarto título, todos os que vieram não são exatamente considerados na cronologia principal, principalmente pela mínima ligação histórica entre eles). Então, PSU não podia faltar na lista, principalmente porque breve vou estar passeando pelas naves do open beta de PSO2 e com certeza vou falar dele. Mas, isso são outros 500. PSU: AotI é, na verdade, uma expansão do primeiro PSU, lançados entre 2006 e 2007 para diversas plataformas. A jogabilidade teve alguma melhoria do PSO original, mas muitos outros fatores importantes foram inteiramente modificados ou excluídos, como os queridos Mags e alguns (muitos) detalhes na jogabilidade geral que só complicaram mais as coisas (como sintetizar armas, usar grinders, entre outros; tudo isso e mais algumas coisas ganharam um refinamento que só fez dificultar a vida dos pobres GUARDIANS). Por conta disso, PSU não foi assim tão querido quanto o naquela época oficialmente fechado PSO (já que não sei se quando PSU foi lançado, os servidores privados de PSO já estavam por aí), mas ainda assim, não é um jogo ruim. Para quem nunca jogou os spin-offs online de Phantasy Star, provavelmente seja um bom começo; ou melhor, seria se os servidores ainda estivessem abertos ou se já existisse algum privado (já que a SEGA fechou os oficiais já tem alguns anos, mas até agora, nada de privados), pois PSU realmente foi feito para o modo online, até mais que PSO. Tudo em PSU é enorme, deslumbrante e igualmente vazio, apesar dos NPCs fantasmas que enfeitam as cidades e a colônia. Nunca cheguei a jogar online, mas só de ver aqueles cenários vazios no modo offline, bate uma tristeza (principalmente quando cruzo algum dos vários bancos ou locais de encontros obviamente feitos pensando nos jogadores em modo online). Para quem já conhece a franquia e decide se aventurar por PSU, é realmente deprimente, pois o game tem um clima comunitário gigantesco.

O clube na colônia foi obviamente feito pensando em encontros
entre jogadores, assim como os vários bancos espalhados por aí
Essa resenha acabou sendo sobre minha tristeza pelo extinto modo online, mas enfim. Após o lançamento da expansão, só era possível jogar online com ela. Ambition of the Illuminus dá continuidade ao enredo de PSU de onde o primeiro título parou, mas não creio que isso seja muito importante. Francamente, eu já achava a história de PSO fraca (pois ela é contada de uma forma péssima), mas PSU não fica muito longe disso. Para quem quer jogar online, vale mais a pena experimentar PSO: Blue Burst (o qual eu particularmente cansei, pois a maioria dos jogadores só querem saber de TTF), mas para quem quer apenas se divertir um pouco no universo de Phantasy Star, PSU está ótimo (pelo menos até o lançamento oficial de PSO2, para aqueles com computador potente ou consoles para os quais ele será lançado).

quinta-feira, janeiro 10, 2013

Playlist Cyberpunk

Então, eu ando nesse clima caótico, futurista e corporocrata por conta de umas pesquisas para meu próximo trabalho. Sim, vai ser uma história cyberpunk. Por conta disso, tenho ouvido músicas que remetem mais a esse estilo, então achei que seria legal compartilhá-las por aqui. Aí vai .__.